• 16 de março de 2021

Municípios de SC devem assinar contrato para aquisição da Sputnik V nesta semana

Presidente da Fecam está otimista com possibilidade de chegada dos imunizantes

A Federação Catarinense de Municípios (Fecam), que representa 261 prefeitos na negociação para compra da vacina russa Sputnik V, estima que o contrato que formaliza a aquisição das doses seja assinado nesta semana. O grupo de prefeitos enviou os documentos requisitados pela empresa que ofereceu as doses nesta segunda-feira (15) e aguarda resposta positiva sobre a documentação para selar a compra. 

O acordo prevê 3,6 milhões de imunizantes para atender as 261 cidades. Inicialmente o montante era de 4,1 milhões, mas alguns municípios desistiram de ingressar no processo – entre eles Joinville. Com o contrato assinado, as doses podem chegar a Santa Catarina entre 15 e 20 dias úteis.  

“Eu conversei com o pessoal do laboratório e eles estão muito otimistas e esperançosos igual a gente. Essa semana nós devemos assinar o contrato”, disse o presidente da Fecam e prefeito de Araquari, Clenilton Pereira (PSDB). 

O imunizante russo ainda não foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Em fevereiro, o órgão chegou a afrouxar regras para obtenção da autorização emergencial, o que beneficia a Sputnik porque ela não foi testada na população brasileira durante a chamada fase 3 – que era uma exigência até então. Apesar disso, as negociações não avançaram.

Pereira minimizou a falta de autorização. “Assim que a gente assinar o contrato a gente vai ver todo esse processo interno de como vai funcionar. A nossa preocupação agora é focar na aquisição deles, na garantia. Tendo garantia, nós temos em torno de 20 dias úteis para correr atrás. O que a gente precisa agora é ter a certeza de que a vacina chegará”, disse o prefeito. 

Um dos motivos que pode auxiliar na liberação é o lobby feito por governadores e empresas junto ao governo federal para autorização do imunizante russo.

“Se elas chegarem, nós vamos ser o Estado que mais vai vacinar no Brasil e a gente vai ter um avanço muito grande. Vai baixar a letalidade, vai sobrar leitos nos hospitais. Não vai voltar à normalidade, mas vai melhorar bastante. Esse é nosso intuito”, acrescentou. 

A Fecam havia realizado movimento semelhante ao final do ano passado. À época, a entidade negociou doses com o Instituto Butantan, mas o governo federal centralizou as compras. Apesar de frustrada, a tentativa foi elogiada por prefeitos por pressionar o presidente Jair Bolsonaro a adquirir rapidamente os imunizantes. 

Fonte: RCN

Fique ligado nos conteúdos!

Receba atualizações, dicas, artigos e conteúdos especiais com prioridade!

Anuncie sua Empresa

Contrate uma assinatura e publique um selo para anúncio*