• 5 de março de 2021

Contaminação não ocorre nas empresas, diz presidente da Fiesc

O presidente da Federação das Indústrias de SC (Fiesc), Mario Cezar de Aguiar, reforçou a defesa da manutenção da atividade produtiva, como forma de enfrentamento da pandemia nesta quinta-feira (4), em reunião com o grupo econômico do governo. “Temos que ter a responsabilidade social de preservar a saúde das pessoas, mantendo a atividade econômica segura, preservando o emprego, a sobrevivência das empresas e a arrecadação do estado”, afirmou Aguiar, durante a reunião virtual com o secretário de estado da Fazenda, Paulo Eli, e lideranças do setor produtivo.

O grupo tem realizado reuniões online semanais para tratar de questões relacionadas à pandemia. O procurador-geral do Estado, Fernando Comin, também participou da atividade. “Não há uma solução pronta; as nações têm adotado medidas empíricas, de tentativa e erro. Estamos aprendendo com o vírus e reaprendendo com as mutações dele”, disse o chefe do MPSC, que defendeu a necessidade de encontrar um modelo eficiente para conter a velocidade de transmissão do vírus, com o mínimo de reflexos na economia, na renda das famílias e na arrecadação do Estado. 

“A contaminação não ocorre nas empresas onde são adotados protocolos de segurança e são ambientes controlados”, destacou Aguiar. “É preciso conter a contaminação, evitando que as pessoas cheguem à situação de necessitar de internação em UTI”, salientou, ao defender ainda outras medidas como o aumento da imunidade da população. Aguiar também destacou que o Fundo Empresarial para Reação Articulada de Santa Catarina Contra o Coronavírus (Fera/SC), que foi mobilizado pela Fiesc desde o início da pandemia, possa ser utilizado para apoiar o estado na ampliação da oferta de leitos de UTI no período mais crítico.

Fonte: Adjori/SC

Fique ligado nos conteúdos!

Receba atualizações, dicas, artigos e conteúdos especiais com prioridade!

Anuncie sua Empresa

Contrate uma assinatura e publique um selo para anúncio*